• ULTIMAS

    Prefeito de Pendências (RN) é processado pelo MPF por improbidade

    O Ministério Público Federal (MPF) em Assu ingressou com uma ação contra o prefeito de Pendências, Ivan de Souza Padilha; a Construtora Cageo Ltda.; e seu sócio-administrador, Carlos Henrique de Oliveira Dantas. O gestor é acusado de repassar recursos para construção de casas populares, à empresa, sem que a obra tivesse sido efetivamente concluída.

    Um convênio firmado entre o Departamento Nacional de Obras Contras as Secas (Dnocs) e o Município de Pendências previa repasse de R$ 600 mil para construção de 40 casas populares e teve vigência de janeiro de 2009 a janeiro de 2012. Desse total, R$ 200 mil foram efetivamente transferidos à Prefeitura e o restante do repasse foi suspenso porque não houve conclusão sequer da etapa paga.

    As casas seriam destinadas a famílias das comunidades Ilha de São Francisco, Massapé, Boa Vista, Pedrinha e Amargoso. A Cageo foi contratada, porém não construiu todos os imóveis e ainda utilizou material de baixa qualidade na obra, deixando diversas residências com problemas estruturais.

    De acordo com a ação, assinada pelo procurador da República Victor Queiroga, fiscalizações da Controladoria Geral da União (CGU) apontaram que em algumas casas faltavam portas ou janelas e muitas apresentavam rachaduras. O próprio Dnocs, em visita técnica ao local, constatou que apenas onze foram concluídas e nove apresentavam somente a alvenaria com cobertura de telha de cerâmica.

    Relatórios indicaram que as esquadrias das casas foram confeccionadas com material de terceira categoria, havendo ainda portas sem o devido encaixe nos portais e janelas com venezianas quebradas. Constatou-se sumidouros e fossas sépticas sem tampas ou com tampas quebradas, além de caixas d'água no chão e algumas igualmente danificadas.

    A prefeitura alegou que o contrato com a Cageo foi rescindido devido à demora no repasse dos recursos federais e que alguns problemas estruturais não teriam sido sanados porque os moradores se opuseram às reformas. “(...) não é razoável imaginar que os moradores iriam se opor ao conserto de irregularidades que poderiam provocar acidentes graves, a exemplo das graves rachaduras evidenciadas”, ressalta o procurador.

    Ao mesmo tempo, a informação do Dnocs é de que os demais R$ 400 mil previstos no convênio não foram repassados exatamente por conta das irregularidades constatadas pela CGU. “Os repasses seriam retomados se as falhas fossem corrigidas e a construção efetivamente retratasse o recurso já investido na sua realização”, destaca a ação do MPF.

    Para o Ministério Público Federal, Ivan Padilha foi negligente ao não fiscalizar a aplicação do dinheiro público, permitindo que o contrato fosse descumprido pela empresa e não adotando providências diante das falhas. A CGU apresentou relatório com as irregularidades em dezembro de 2011 e, em abril de 2013, mesmo sem sanar os problemas, Ivan Padilha atendeu pedido da construtora e rescindiu amigavelmente o contrato, sem quaisquer ônus para a Cageo.

    “Ademais, mesmo sabedor da péssima qualidade dos serviços executados, conforme atestado pelos órgãos de fiscalização federais, o então gestor efetuou parte do pagamento e pactuou, não se sabe o real motivo, a rescisão amigável da avença, quando, em verdade, a empresa contratada deveria ter sido notificada a corrigir os defeitos evidenciados e, caso não o fizesse, deveria ter sido punida por descumprimento do contrato administrativo.”

    A ação tramita na 11ª Vara Federal, em Assu, e foi protocolada sob o número 0800046-29.2016.4.05.8403.


    ______________________________________________________

    Vem conhecer o Olho D'Água Park Hotel, o melhor Parque Aquático / Temático do interior do Rio Grande do Norte


    O Olho D'Água apresenta um salão de jogos e acesso Wi-Fi gratuito, além de 3 piscinas ao ar livre, rodeadas por quiosques e jardins, O restaurante serve um buffet de café-da-manhã diário, enquanto as bebidas são servidas no bar.

    Os quartos climatizados, com vista para piscina, apresentam uma decoração prática e contemporânea. Todos incluem uma TV de tela plana, frigobar e banheiro privativo.

    Localizado em Caraúbas, o Olho D'Água Park Hotel fica a 59 km de Martins, e a 38 km do sítio arqueológico Lajedo Soledade. O Aeroporto Internacional de Natal - Augusto Severo fica a 287 km de distância, e o estacionamento privativo é gratuito na propriedade.

    Centenas de turistas de todo estado já começam a experimentar um fim de semana no Olho D’água Park Hotel. Venha você também conhecer o nosso maravilhoso empreendimento.

    O Olho D’água Park Hotel está localizado entre Caraúbas e Apodi, na RN 233, região Oeste do Rio Grande do Norte. O empreendimento está próximo ao novo Campus da Ufersa (Universidade Federal Rural do Semi Árido). Com fácil acesso das mais diversas regiões do estado, em rodovia com excelente qualidade de tráfego.

    Reservas e contatos:
    (84) 3337-3134 / 9942-1104 / 9115-8148
    http://www.olhodaguaparkhotel.com.br/hotel

    Veja belas imagens deste paraíso: Clique Aqui
     

    Acompanhe nossas novidades também no Facebook. Clique para curtir nossa fan Page


    • Blogger Comments
    • Facebook Comments

    0 ► Envie seu comentário:

    Item Reviewed: Prefeito de Pendências (RN) é processado pelo MPF por improbidade Rating: 5 Reviewed By: Gidel de Morais

    Seguidores

    Scroll to Top